BLOG

Leia, opine, contribua

22 dez · Jayme Nigri · No Comments

Família na escola: a polêmica sobre o uso dos grupos de Whatsapp

Hoje em dia, é inimaginável qualquer segmento da nossa vida que seja desprovido de alguma tecnologia. E é claro que as instituições de ensino têm empregado o uso dessa tecnologia para promover avanços educacionais. No entanto, é necessário que tais avanços sejam utilizados com moderação e não incentivem a substituição das relações interpessoais por dispositivos virtuais.

Hoje, mais do nunca se faz necessária a participação da família na escola, e é por isso que trataremos dos pontos relevantes sobre a inserção do WhatsApp no meio educacional.

O uso do WhatsApp na escola

O emprego da tecnologia tem a capacidade de promover um fluxo maior de informações, entretanto, é necessário verificar a importância e a qualidade de todas essas informações que estão flutuando na nuvem e adentrando a vida de milhares de crianças, jovens e adultos.

O WhatsApp não é recente: caiu nas graças do brasileiro há cerca de três anos e vem ganhando cada vez mais espaço no dia a dia. Com uma plataforma inteligível, o aplicativo se tornou uma ferramenta de comunicação altamente eficaz, utilizada por várias empresas ao redor do mundo.

As instituições de ensino também passaram a utilizar o aplicativo para viabilizar a comunicação com os pais. Se outrora, era necessário mandar bilhetinhos no caderno do aluno e aguardar pacientemente pelo retorno dos pais, hoje, os recados são instantâneos, de maneira que pai nenhum pode alegar desconhecimento sobre os comunicados.

Dessa forma, foram criados vários grupos no WhatsApp, com as mais variadas intenções; há grupos de recreação, grupos de reforço, grupos de pais que organizam eventos e festas, grupos de interesses coletivos que promovem o rodízio de carros, distribuindo caronas entre outros. O fato é que o aplicativo estimulou a aproximação da família na escola.

Os benefícios são muitos mas, para que o aplicativo não se torne um vilão, é preciso estabelecer um limite de uso saudável para pais, alunos e educadores.

Os aplicativos e a interação pessoal

A interação interpessoal continua sendo importante, afinal, nenhuma mensagem de texto ou smile podem, de fato, expressar um sentimento ou acusar uma situação que esteja acontecendo em silêncio. As reuniões de pais e mestres continuam sendo de suma importância e tradicionalmente presenciais, afinal de contas, nada como olho no olho para saber se tudo está bem mesmo.

E por fim, é preciso ter em mente que o aplicativo é um meio de comunicação e não um meio de estancar a falta de responsabilidade dos filhos. Existem muitos pais que acabam organizando toda a vida letiva dos filhos em vez de estimular o senso de responsabilidade.

WhatsApp dentro da sala de aula

Se por um lado o uso do aplicativo tem beneficiado a integração de pais, mestres e instituição, por outro, há uma crescente preocupação quanto ao manuseio irresponsável e ilimitado desse aplicativo e outros dispositivos tecnológicos que invadiram as salas de aula sem prévia autorização.

O uso de certos dispositivos em sala pode ser prejudicial quando não utilizado com a finalidade de aprendizado. Dessa maneira, o confisco de aparelhos pode ser uma opção adequada para o bom funcionamento da aula, mas também gera insatisfação e rebeldia pelos jovens, que insistem em se manter online o tempo todo.

Existem também, outras preocupações acerca dos bullyings que eventualmente ocorrem em grupos restritos criados pelos alunos no WhatsApp. Esse tipo de comportamento agressivo não se limita apenas aos alunos, mas também afeta os professores e funcionários da escola, que não podem ou não conseguem controlar as interações sociais virtuais.

É preciso ter em mente que nenhuma tecnologia pode substituir uma boa conversa, sendo assim, é necessário delimitar o uso não apenas do aplicativo, como também de qualquer dispositivo tecnológico que se mostre prejudicial às relações interpessoais, até porque, nenhuma ferramenta virtual é capaz de substituir as relações físicas.

É preciso aprender a filtrar e a separar o real do virtual. E não esquecer de que vivemos em um mundo palpável. A vida acontece aqui fora, e não dentro de uma tela.

Gostou do post? Quer ver outros conteúdos sobre a família na escola? Então curta nossa página no Facebook e fique por dentro das novidades.

Jayme Nigri

Jayme Nigri é co-founder da Futura Code School. É especialista em análise de perfis comportamentais e lida todos os dias com crianças e adolescentes, motivo do seu grande entusiasmo no trabalho. Tem um casal de filhos e faz trabalhos sociais com a Futura Code.

SOBRE NÓS

Por meio do ensino de programação, queremos colaborar com a formação de jovens transformadores capazes de colocar nosso país na rota do desenvolvimento com a evolução da sociedade, proporcionando condições para evitar o abismo sócio-cultural e econômico em que a utilização da tecnologia poderia resultar.

Endereço

Rua Bartira, 757 - Perdizes
São Paulo - SP
05009-000
Brasil

(11) 3588-1118 • 3060-8481
info@futuracode.com.br

Horário

FÉRIAS: fechado sábados e domingos.
Plantão pelo tel. 3588-1118

De segunda a sexta-feira:
9:00–18:30

Aos sábados:
9:00–13:00

Aos sábados de tarde e domingos:
aberto quando há atividade

Localização